Eliminando a dislexia com Neurofeedback - Alphalearning Brasil - Neurofeedback, Treinamento Cerebral e aprendizado

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Atuação > Dislexia
 
Alphalearning International - English version

Um exemplo utilizando um curso para disléxicos

 
 

O vídeo que você assistirá a seguir e os EEGs que você verá abaixo foram registrados entre 17 e 21 de janeiro de 2011, na cidade de São Paulo. Para a Dra. Tânia Valery, advogada, e sua filha, a estudante Bárbara Valery, apenas em relação à leitura, houve uma melhora de velocidade e compreensão na ordem de 600%. Com a prática do treinamento, outras habilidades emergirão e o conjunto do que é percebido como "dislexia" simplesmente deixa de existir.

 
Alphalearning International - Brasil - Entrevista sobre Dislexia. Depoimento das clientes Dra. Tânia Valery (advogada) e Bárbara Valery (estudante), ex-disléxicas, sobre os resultados do Curso Saber Aprender realizado em São Paulo em janeiro de 2011.
 
 

Desafio
O Alphalearning publicou em 1996, na Conferência Internacional de EEG e Neurofeedback (USA), depois de testar o seu sistema em 500 disléxicos e ter mais de 8.000 EEGs registrados, que a dislexia podia ser curada dentro de 10 a 30 horas de treinamento. E
studos científicos e diversas matérias publicadas no site do Alphalearning e em revistas de prestígio internacional são marcos que não encontram paralelo no Brasil até este momento.

O curso - Dia a dia
No primeiro dia do curso realizamos avaliações padrões de leitura e memorização e alguns testes neurológicos. A advogada Dra. Tânia Valery pôde ler 143 palavras por minuto (ppm) e, de acordo com a sua declaração, sem compreensão alguma. Na anotação que fez apenas copiou partes do texto. A sua filha, a estudante Bárbara Valery pôde ler 168 ppm, obtendo uma compreensão abaixo do mínimo.

Após três dias de preparação com a Estação Brainwave, o cérebro já estava equilibrado e foi possível aprender a comandar as ondas cerebrais bem o suficiente para ter uma vida nova. Voltamos à questão da leitura. No primeiro minuto lendo adequadamente a Dra. Tânia saiu de 143 palavras por minuto para 430 e a Bárbara, de 168 para 400. A compreensão também havia melhorado. No entanto, o resultado era apenas inicial e não representava a real capacidade que elas possuíam. Com mais alguns minutos de treinamento chegamos ao fim do quarto dia com a Tânia a 630ppm e a Bárbara a 690ppm. Nesse processo o nível de compreensão aumentou dramaticamente. Ambas eram capazes de contar em detalhes a história que haviam lido, do meio de um livro que nunca tinham visto antes e de assunto desconhecido por elas. As anotações eram completas e complexas.


No último dia de curso, a Dra. Tânia, com muita tranquilidade e segurança, alcançou estonteantes 1420 palavras por minuto, com a maior compreensão até então. Bárbara, alcançando 840ppm já tinha muito mais a anotar de 1minuto de leitura que o possível em uma página. Obviamente a compreensão de ambas era absoluta. A nossa recomendação: se vocês quiserem ler E compreender E lembrar o que foi lido, leiam na velocidade natural de vocês que é, no mínimo, esta alcançada em cinco dias.


O curso - abordagem científica
Através das imagens e explicações abaixo você poderá entender melhor os caminhos percorridos no curso com a estudante Bárbara Valery. Clicando nas imagens abaixo você as verá ampliadas.
Aprenda a ler o próximo gráfico - Brainscape diagram:

  • O retângulo à esquerda representa o hemisfério cerebral esquerdo, enquanto o outro, o direito.

  • O eixo horizontal representa as frequências de 1 a 31Hz

  • O eixo vertical a passagem do tempo, no caso abaixo um total pouco superior a 3min 55seg.

  • O relevo nas linhas horizontais mede a intensidade das ondas cerebrais em determinada frequência e em determinado momento.

  • Os pequenos números de 1 a 5 entre os dois hemisférios são marcações colocadas pelo operador para indicar pontos específicos do teste.


 
 

A imagem ao lado mostra o resultado obtido no primeiro teste de 4 minutos no primeiro dia de curso.

Percebe-se uma intensidade mínima das ondas cerebrais durante todas as atividades do teste e em todas as frequências.

Neste caso (onde não havia qualquer medicamento envolvido), é o sinal de um longo tempo de dislexia. A tensão causada pelo desequilíbrio das frequências entre os dois hemisférios provocava uma imobilidade das ondas cerebrais.

 
 

Aqui vemos o resultado da estimulação pelo Brainwave já no segundo dia de curso.

Um dos nossos primeiros objetivos era despertar o cérebro para que as ondas cerebrais tivessem uma intensidade maior.

A diferença entre essa imagem e a anterior mostra claramente que a Bárbara respondeu aos estímulos que foram ensinados. Ela literalmente despertou - e sentiu esta diferença.

 
 


Aprenda a ler o próximo gráfico - Average frequency diagram:

  • As barras azuis representam o hemisfério esquerdo, enquanto as vermelhas, o direito.

  • O tamanho de cada barra (para a esquerda ou direita) indica a intensidade de cada frequência.

  • O eixo vertical ao centro indica a frequência representada por cada barra de 1Hz a 30Hz.

  • Este gráfico é uma média do gráfico anterior, logo, representa todo o tempo medido.


Nesta imagem vemos a mesma informação do gráfico anterior de uma outra maneira.

Em todas as frequências a intensidade das ondas é sempre maior no hemisfério direito do que no esquerdo.

Dislexia clássica !

O hemisfério direito, responsável pela imaginação e criatividade tem dominância, o que explica a criatividade dos disléxicos combinada com a falta de resposta em outras áreas onde se requeira o hemisfério esquerdo ou a sincronia entre os dois (como na leitura).

É importante observar que toda a atividade acima de 14Hz não deveria existir pois praticamente não houve movimento muscular nestes 30 minutos (Bárbara assistia um vídeo com documentários sobre o Alphalearning e pesquisas sobre o cérebro). Esta atividade indica a existência de dano cerebral - que pode ser sentido pela pessoa como confusão mental, falta de objetividade, dificuldade de aprendizado, TDAH ou dislexia (como no caso da Bárbara). Um dos maiores objetivos durante o curso será livrar-se de toda essa atividade acima dos 14Hz e fazer a amplitude entre 1Hz e 14Hz equilibrada. Antes deste desequilíbrio ser resolvido não há como curar a dislexia.

 
 

Aprenda a ler o próxim gráfico - Relative percentage:

  • As linhas azuis representam o hemisfério esquerdo, enquanto as vermelhas, o direito.

  • A oscilação destas linhas é a representação gráfica das ondas cerebrais em suas percentagens relativas.

  • O primeiro par de linhas (acima) mede exclusivamente as ondas Beta. O par central mede as ondas Alpha e o último as ondas Theta.

  • O eixo horizontal inferior mede a passagem do tempo (neste caso pouco mais de 29min e 48seg.

  • O eixo vertical à direita indica a porcentagem relativa de cada onda em cada hemisfério.


Esta é uma outra maneira de visualizar a leitura dos dois gráficos anteriores.

Com exceção das ondas Theta que estão próximas (47% em 48%) temos uma predominância significativa do hemisfério direito nas ondas Beta (21% contra 15%) e nas ondas Alpha (31% contra 26%).

As ondas Theta são ligadas à criatividade e também à memorização / lembrança. Infelizmente com tantas ondas Beta acontecendo e as ondas Alpha desequilibradas, o cérebro não consegue receber informações. Naturalmente não há como memorizar algo que não chegou ao cérebro, causando um falso diagnóstico de que há problemas de memória pois a pessoa "não consegue lembrar das coisas".

 
 

Ampliando-se apenas o final desta leitura que estamos analisando, percebemos algo muito curioso por volta dos 28 minutos: o hemisfério esquerdo que já havia treinado, aprendido e se reconectado o suficiente resolveu descansar.

Esta é uma interessante capacidade natural que possuímos: no momento em que o cérebro já realizou o possível para aquele momento ele simplesmente interrompe o processo de auto-reestruturação até que assimile tudo o que aconteceu e possa continuar no futuro. Neste caso isso ocorreu apenas no hemisfério esquerdo.

 
 

Agora uma nova leitura com quase 15 minutos de duração. Após um tempo de descanso e assimilação, um novo comportamento surgiu. O hemisfério esquerdo agora tem uma grande atividade que chega a ofuscar o hemisfério direito, antes dominante.

 
 

A mesma leitura anterior, vista pela sua média. O hemisfério esquerdo antes pouco potente tenta compensar anos de desequilíbrio experimentando as novas habilidades aprendidas com o Brainwave e agora possíveis por conta das novas conexões neurais.

O hemisfério esquerdo chega a ultrapassar a atividade do direito provavelmente pela primeira vez na vida da Bárbara. Sem ter perdido qualquer habilidade e talento anteriores, novas habilidades tornam-se disponíveis.

 
 

As percentagens relativas da mesma leitura anterior. O hemisfério esquerdo (linhas azuis) aprendendo a funcionar em todas as ondas sem esperar muito pelo direito. Ainda estamos no segundo dia de curso.

 
 

Aprenda a ler o próximo gráfico - Absolute levels:

  • As linhas azuis representam o hemisfério esquerdo, enquanto as vermelhas, o direito.

  • A linha amarela mede o equilíbrio entre os dois hemisférios. Quanto mais oscila, maior o desequilíbrio.

  • A oscilação das linhas vermelhas e azuis é a representação gráfica das ondas cerebrais.

  • O primeiro trio de linhas (acima) mede exclusivamente as ondas Beta. O trio central mede as ondas Alpha e o último as ondas Theta.

  • O eixo horizontal inferior mede a passagem do tempo (neste caso pouco mais de 14min).


Estes são os níveis absolutos da mesma leitura anterior. Este gráfico comprime em uma imagem os mesmos 14min e 52seg dos gráficos anteriores. Nesse nível de compressão qualquer oscilação mínima na linha amarela (que mede o equilíbrio entre os hemisférios cerebrais) é extremamente significativa.

 
 

Numa nova leitura de 22min e 52seg ainda temos uma predominância do hemisfério esquerdo e muitas ondas Beta (acima de 14Hz). Vemos ao final do gráfico que logo após os 18 minutos, ambos os hemisférios reduzem abruptamente a atividade.

 
 

A mesma leitura anterior vista pelas suas médias. O hemisfério esquerdo ainda predominante e muitas ondas Beta para limpar.

 
 

A mesma leitura pelas percentagens relativas. As ondas Theta mais próximas novamente mas ainda uma distância nas ondas Alpha e Beta que deverá ser reduzida.

 
 

A mesma leitura em outro gráfico. A oscilação da linha amarela ao longo do tempo mostra o desequilíbrio entre os hemisférios em cada uma das três principais ondas.

 
 

Apenas o final desta mesma leitura, mostrando em close o momento onde ambos os hemisférios resolvem cessar a atividade e reação ao estímulo do Brainwave. Fim do segundo dia e descanso merecido (e necessário) até o próximo dia.

 
 

No terceiro dia, após um bom descanso, era a hora de praticar o que ensinamos para o cérebro nos dois dias anteriores: como entrar em Alpha.

De acordo com Michael Hutchison, apenas os monges Zen com 5 a 10 anos de prática de meditação diária e adequada são capazes de relaxar o cérebro para uma frequência de 9Hz por vontade própria.

Para Bárbara isso levou dois dias. O gráfico ao lado representa o que chamamos de Alpha Test: a capacidade da pessoa: (1) entrar em Alpha (logo após o número amarelo 1 que está entre os dois hemisférios), (2) relaxar ainda mais e entrar em Theta (ondas de 3Hz entre 35 segundos e 1min), (3) ser forçada a entrar em Beta por estímulo externo e (4) voltar imediatamente para Alpha e se manter assim. O controle das ondas cerebrais apresentado neste gráfico fala por si mesmo. Basta compará-lo ao caos dos gráficos dos dias anteriores.

 
 

O mesmo teste anterior, visto pela sua média geral com a predominância da onda Alpha a 9Hz.

É muito importante observar que (1) as ondas acima de 14Hz praticamente não existem mais e que (2) os dois hemisférios estão muito próximos de um equilíbrio.

Com o estímulo anterior do Brainwave os danos cerebrais existentes estão desaparecendo na mesma proporção em que desaparecem as ondas acima dos 14Hz (na realidade elas estão presentes aqui por conta do estímulo externo oferecido à Bárbara em torno do 1° minuto). Este estímulo é uma das maneiras de treinar a habilidade plástica do cérebro de saltar de uma onda para outra por vontade própria e também por reação ao ambiente em qualquer circunstância de ameaça.

 
 

Um dos efeitos causados pela onda Alpha, e que há tempos é pesquisado pela ciência, é o equilíbrio do cérebro como um todo.

Neste gráfico do mesmo teste anterior vemos as ondas Beta com uma pequena diferença de 2% de um hemisfério para o outro. As ondas Alpha com uma diferença residual de 1%.

As ondas Theta ainda apresentaram diferença com predominância do hemisfério esquerdo. Detectada esta diferença, equilibrá-la será um dos nossos próximos objetivos. Ainda estamos no terceiro dos cinco dias do curso.

 
 

Um zoom apenas na segunda metade do teste - ondas Alpha constantes sob o comando de Bárbara.

 
 

Mantendo-se apenas a parte do gráfico onde se treinava o comando para entrar e permanecer no estado Alpha, podemos perceber a força desta onda sobre as outras.

Outro efeito: todas as ondas acima de 14Hz que indicavam danos cerebrais cessaram. Também o equilíbrio perfeito dos dois hemisférios está cada vez mais firme - as melhoras usando o Brainwave são permanentes e acumulativas.

 
 

Numa nova leitura com uma tentativa mais longa, ondas Theta (em torno dos 3Hz) e depois ondas Alpha a 9Hz mantidas por minutos e por comando próprio.

 
 

O mesmo gráfico visto em sua média: ondas Alpha e Theta em equilíbrio cerebral perfeito e em profunda concentração.

Nenhuma onda acima de 14Hz que indicaria danos cerebrais: todos foram resolvidos.

Concentração e atenção eram perfeitas nestes 12 minutos.

Onde está a dislexia? Onde está o desequilíbrio entre os hemisférios? Onde está o dano cerebral? A dislexia está curada, restando apenas o hábito de toda uma vida de ler lentamente e não entender quase nada. Esse será o ponto do quarto dia de curso: ensinar a ler usando-se a "Ferrari" que este cérebro sempre deveria ter sido.

 
 

O mesmo momento acima visto pelas suas percentagens relativas. Restou apenas uma diferença desprezível e natural de 3% em Alpha e 1% em Theta. Excelente aprendizado para quem chegou a ter 15% de diferença dois dias antes.

 
 

Novo treinamento: ondas Alpha contínuas por 12 minutos.

Estima-se que a cada 20 minutos de meditação (no ocidente) uma pessoa consiga manter 20 segundos de Alpha durante a prática. Os efeitos sobre a saúde e equilíbrio são imensos: se você fez Yôga ou Meditação Transcendental bem orientada você sabe do que se está falando.

Bárbara, com três dias de treinamento, mantinha 36 vezes mais Alpha em 12 minutos (manteria mais se pedíssemos) que uma pessoa geralmente alcança em 20 minutos de meditação. Em outras palavras, a Bárbara alcança em um ano de 20 minutos diários de Alpha o que as outras pessoas levariam 60 anos de meditação para totalizar. Não é de se admirar que uma pessoa assim não se considere mais disléxica. A dislexia foi atacada na sua raiz: o cérebro. As alterações alcançadas são permanentes.

 
 

O mesmo momento acima visto pela sua média. Alpha de 9Hz a 7Hz.

 
 

A percentagem relativa de cada onda / hemisfério está cada vez melhor. Ainda faltavam dois dias de curso. Muito mais foi aprendido neste período, apenas não está publicado aqui !

 
 


Conclusão

“Ler é o topo do que os humanos podem fazer. É a mais complexa das funções humanas”. Estas são as palavras que concluem o trabalho da neurologista Dra. Sally Shaywitz da Escola de Medicina da Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

Por sua complexidade, a leitura requer um trabalho conjunto dos hemisférios cerebrais direito e esquerdo. Quando esse delicado equilíbrio sofre uma alteração, a leitura se torna difícil, lenta e sem sentido. A Estação Brainwave, indo ao âmago da questão da dislexia, ensina ao cérebro como atingir e manter este estado de equilíbrio.

Naturalmente que a dislexia é um assunto mais amplo que um problema de leitura, mas propusemos no Alphalearning que se pudéssemos melhorar a leitura de uma pessoa, poderíamos melhorar qualquer outro aspecto. E nós temos conseguido isso em 100% dos cursos.

Algumas linhas de estudo comentam que o problema do disléxico é a falta de memória a curto e longo prazo. Certamente. Se não for possível assimilar a informação, seja ela lida, ouvida, percebida ou sentida, logicamente não será possível memorizá-la. Simplesmente não há informação para ser memorizada pelo cérebro. O domínio das ondas cerebrais acaba com esse problema pois a pessoa passa a comandar o que o cérebro deve fazer: decidir e ser lógico, aprender, ser criativo, memorizar, recordar ou descansar.

Neste curso, no aspecto de leitura, memorização e compreensão tivemos a Bárbara saindo de 168ppm para 840ppm e a Tânia, após a última entrevista concedida, de 143ppm para 1.420ppm. O nível de compreensão também aumentou e com a prática deste treinamento, outras habilidades emergirão. Isso tudo foi alcançado em 5 dias.

É tudo uma questão de equilíbrio entre os hemisférios e controle das ondas cerebrais.

Se você controla as ondas cerebrais, você controla as suas emoções. No controle das suas emoções você diminui o stress e diminuindo o stress você pode ler e aprender melhor.

Esta é a maior descoberta de todos os tempos na história da aprendizagem desde a invenção da escrita.



Se você tem dúvidas quanto ao seu caso específico, entre em contato conosco.

 
 
 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal